Entenda a importância de uma ICT parceira nos financiamentos dos Projetos de Inovação

Na última terça- feira (26/05), a superintendente do CCB, Ana Paula Margarido e o consultor técnico de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação do CCB, Marcelo Dezena participaram de uma reunião online com a Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para revestimentos, louças sanitárias e congêneres (Anfacer) e a Financiadora de Inovação e Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (FINEP-MCTIC) para esclarecerem dúvidas à respeito do novo acordo de cooperação assinado entre ambas que oferecerá, às empresas associadas à Anfacer, linhas de financiamentos, cujos recursos poderão ser aplicados também na compra de equipamentos, investimento em parque fabril, entre outras ações para a retomada da economia. O objetivo dessa parceria é fomentar o crescimento do setor sempre com o foco na inovação, tanto para o processo de produção, como para o produto final.

O CCB também faz parte desta parceria e poderá atuar como uma Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT) às empresas interessadas com o intuito de facilitar a estruturação dos Planos Estratégicos de Inovação (PEI) pela indústria.

De acordo com a gerente do departamento de Petróleo, Mineração e Indústria Naval da FINEP, Cristiane Abreu, a importância de ter uma ICT é muito grande, devido ao conhecimento que a mesmo provém. “A melhor forma desse conhecimento chegar na sociedade é através de uma ICT e, nós, da FINEP, oferecemos à empresa que busca financiamento em inovação, uma redução de taxa de quase 1% ao ano, caso ela apresente uma ICT parceira”, falou Cristiane reforçando, portanto, que o CCB ou a ICT escolhida, poderá contribuir muito, embora não seja obrigatório apresentar uma no plano de inovação.

O consultor técnico de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação do CCB, Marcelo Dezena, explicou que o CCB, desde a sua fundação, se apresenta como uma ICT da cadeia cerâmica, pois está focado no seu desenvolvimento .“Por outro lado, o CCB tem um número expressivo de projetos de inovação, inclusive com a FINEP e cada linha de pesquisa e instituição têm suas especificidades. Portanto, o plano estratégico deverá ser cumprido com linhas específicas, gastos carimbados, etc e, o CCB, como já é parceiro do setor, poderá contribuir nesse sentido”, falou.

Para a analista da empresa pública da FINEP, Maria Paula Cardoso, a Financiadora apoia todas as necessidades do projeto, desde equipamentos, máquinas, até consultoria e treinamentos. “Desde que estejam direta e indiretamente envolvidos no comércio. Só não apoiamos a comercialização”, explicou.

A superintendente do CCB deu dicas de possibilidades de inovação na cadeia que poderão ser elencadas neste convênio de cooperação. “Temas como suprimento de qualificação de matérias-primas, desenvolvimento de matérias-primas, criação de uma identidade brasileira, como a marca Brasil, valorizando o design e a identidade desses produtos, entre outros”, disse Ana Paula indicando também temas sobre desenvolvimento de produtos. “Revestimentos anti-bactericidas, com propriedades hidrofóbicas, com regulagem de umidade do meio ambiente, autolimpantes, desembaçantes, com elementos funcionais, como, por exemplo, elétricos, dentre muitos outros que já são desenvolvidos em outros países”, disse Ana Paula alertando que já existe, na Inglaterra, placas cerâmicas com sistema de aquecimento para os dias muito frios. “O que vale é a criatividade”, disse.

 

CCB é uma ICT parceria do setor

O CCB como um grande parceiro do setor está oferecendo apoio extra às empresas interessadas para auxiliar, escrever, adequar as linhas e buscar a melhor forma de investimento, a melhor característica e desenvolver a parte interna do futuro projeto. “O CCB com todo o seu ‘know how’, poderá ter dentro de seus laboratórios um ‘hub’ de inovação à disposição da cadeia cerâmica para orientar nos projetos”, disse Dezena.

Nesse sentido, o CCB poderá auxiliar tanto na execução do projeto, no desenvolvimento de um plano de inovação, na concepção das ideias, na preparação do plano estratégico do negócio e na prestação de contas. “Para isso, a gente precisa que as indústrias venham ao CCB e converse com a gente pra fazer com que essa inovação chegue ao mercado o mais rápido possível”, finalizou.

Para conhecer todas as linhas e saber como a sua empresa pode se beneficiar desta parceria, basta entrar em contato com a Anfacer, pelo e-mail [email protected]

Mais informações: http://www.finep.gov.br/noticias/todas-noticias/6142-finep-mctic-e-anfacer-firmam-parceria-para-financiamento-ao-setor-ceramico-pos-covid-19