CCB apoiará Anfacer e Finep para financiamento de projetos ao setor cerâmico

A Finep – Financiadora de Inovação e Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), e a Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para revestimentos, louças sanitárias e congêneres (Anfacer), unem forças e oferecem, às empresas associadas, linhas de financiamentos com o objetivo de fomentar o crescimento do setor, sempre com o foco na inovação, tanto para o processo de produção como para o produto final. Os recursos poderão ser aplicados também na compra de equipamentos, investimento em parque fabril, entre outras ações para a retomada da economia.

Em tempos de pandemia e de desafios nunca antes vividos, a busca por soluções para resolver problemas urgentes no momento de recuperação é fundamental. Com essa ideia, a Finep-MCTIC e a Anfacer firmaram um acordo por meio de Planos Estratégicos de Inovação (PEI) para fomentar o crescimento do setor de cerâmica.

“A realização do acordo de cooperação com a Finep-MCTIC reforça o papel da Anfacer no auxílio de contribuir com a inovação e sustentabilidade no setor”, afirma Maurício Borges, CEO e Presidente-Executivo da entidade.

Para facilitar a estruturação dos Planos Estratégicos de Inovação (PEI) pela indústria, a Anfacer conta com a parceria do Centro Cerâmico do Brasil (CCB), entidade que possui todo o know-how na estruturação das propostas e ainda é especialista no setor cerâmico.

“Esse acordo chega em um momento muito importante, já que sabemos que a inovação da indústria será peça chave na retomada do mercado no momento pós COVID-19. Contamos com o CCB no suporte técnico de alto nível às empresas, para a elaboração de todos os planos estratégicos de inovação”, conta Anderson Vieira, Consultor de Qualidade e Inovação da Anfacer.

“Nosso objetivo é aproximar as empresas da cadeia produtiva de cerâmica dos centros de pesquisa e também das startups, com vista à realização de ações de apoio necessárias ao atendimento das principais dificuldades enfrentadas por essa indústria, incentivando a inovação na cadeia produtiva desse setor, fomentando a melhoria do desempenho e qualidade dos seus produtos e, assim, contribuir para o bem estar da sociedade.”, afirmou o diretor de Inovação da Finep, Alberto Dantas. Ainda segundo o diretor, a Finep é tradicional fonte de financiamento de projetos do setor cerâmico, tendo apoiado ao longo de sua história as empresas líderes neste segmento.

“O CCB, como uma ICT, poderá colaborar na elaboração dos projetos e no desenvolvimento de metodologias técnico/científicas, além de todo o acompanhamento.  Nosso intuito é ajudar para o sucesso do financiamento das indústrias e, assim, contribuir com a inovação tecnológica no setor”,  diz Ana Paula Margarido, Superintendente-Executiva do CCB.

O papel da Finep-MCTIC

Criada em 24 de julho de 1967, a Finep-MCTIC atua em toda a cadeia de inovação e está alinhada com as diversas iniciativas do governo federal, principalmente no atual momento de crise provocada pela COVID-19. O Seu foco é nas ações estratégicas, estruturantes e de impacto para o desenvolvimento sustentável do Brasil, por meio do fomento à ciência, tecnologia e inovação.

Portanto, as linhas de crédito disponibilizadas pela Finep-MCTIC para as empresas estão focadas em Inovação.O objetivo é desenvolver o aprimoramento de produtos, processos ou serviços que impactem o posicionamento competitivo da empresa no mercado, com juros competitivos e prazos de carência de até 48 meses.

Qual o perfil das empresas e como podem ter acesso ao financiamento?

Empresas brasileiras de pequeno, médio ou grande portes, e que estejam dispostas a realizar os Planos Estratégicos de Inovação, possuem o perfil para buscar o financiamento.

Os Planos Estratégicos de Inovação submetidos serão avaliados pela Finep-MCTIC e, se aprovados, enquadrados nas seguintes linhas de ação conforme metodologia própria da Financiadora, na qual são avaliados o grau e a relevância da inovação para o setor econômico da proposta submetida.

Inovação Crítica: Destinada a ações de interesse estratégico para o País. Se aplicará a propostas demandadas pelo governo que expressem a necessidade de desenvolvimento tecnológico para atendimento a prioridades nacionais. Se enquadram planos estratégicos de inovação que resultem no desenvolvimento de inovações críticas.

Inovação Pioneira: Destinada a Planos Estratégicos que apresentam elevado grau de inovação e de relevância para o setor econômico beneficiado. As propostas devem resultar em inovações por meio do desenvolvimento de produtos, processos ou serviços inéditos para o Brasil.

Inovação para Competitividade: Destinada a Planos Estratégicos centrados no desenvolvimento ou significativo aprimoramento de produtos, processos ou serviços, que tenham também potencial de impactar o posicionamento competitivo da empresa no mercado.

Inovação para Desempenho: Destinada a Planos Estratégicos que resultem em inovações de produtos, processos ou serviços no âmbito da empresa. Esses planos se qualificam como uma iniciativa da organização de adotar uma estratégia de inovação, ainda que possam ter impacto limitado no setor econômico no qual estão inseridos. Podem ser centrados em atualização tecnológica, por meio da absorção ou aquisição de tecnologia, sendo capazes de impactar na produtividade da empresa, em sua estrutura de custos ou no desempenho de seus produtos e serviços.

Difusão Tecnológica para Inovação: Destinada a apoiar a aquisição de máquinas, equipamentos, serviços, bens de informática e automação que proporcionem modernização e elevação de produtividade para a empresa, trazendo impactos relevantes sobre seu desempenho e sobre sua capacidade de inovar.

Os planos estratégicos de inovação das empresas brasileiras enquadrados nas linhas reembolsáveis da Finep-MCTIC, e que contemplem a parceria com ICTs, podem ser passíveis de apoio via programa Finep Conecta.

O Finep Conecta tem como objetivos levar conhecimento gerado nas Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação (ICTs) para as empresas brasileiras, promover maior alinhamento dos objetivos da Ciência Nacional às demandas empresariais, elevar os dispêndios em P&D e incentivar projetos de maior risco tecnológico.

Na prática, o Finep Conecta é realizado através de financiamento reembolsável, operado diretamente junto à Finep-MCTIC. Os recursos são próprios e do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

Os Planos Estratégicos de Inovação e projetos submetidos devem ter pelo menos 15% de seu valor realizado em parceria com ICTs para serem passíveis de apoio.

No cronograma, a operação é realizada diretamente junto à Finep-MCTIC por meio dos Planos Estratégicos de Inovação, que serão avaliados pela entidade e, se aprovados, serão enquadrados nas linhas de ação estabelecidas no Apoio Direto à Inovação, com bonificação nas condições de financiamento, conforme o percentual realizado em parceria com ICTs:

Finep Conecta 15: Planos Estratégicos de Inovação com pelo menos 15% de seu conteúdo em parceria com ICTs.

Finep Conecta 25: Planos Estratégicos de Inovação com pelo menos 25% de seu conteúdo em parceria com ICTs.

Finep Conecta 50: Planos Estratégicos de Inovação com pelo menos 50% de seu conteúdo em parceria com ICTs.

As condições especiais de financiamento (taxas, prazos de carência e total e percentuais de financiamento) estão no site da Finep-MCTIC.

Passo a passo para a apresentação da proposta

Empresas com receita operacional bruta anual ou anualizada igual ou superior a R$ 90 milhões com propostas no valor mínimo de R$ 5 milhões devem submeter propostas diretamente à Finep-MCTIC. Para isso, a empresa deve se cadastrar no sistema de operações de crédito da entidade e, ao concluir a inscrição, será indicado o gerente de relacionamento responsável por auxiliar no cadastro do Plano Estratégico de Inovação.

“Vale ressaltar que empresas de qualquer porte, com projetos com valor entre R$ 150 mil e R$ 5 milhões ou com receita operacional bruta de até R$ 90 milhões, com projetos com valor igual ou inferior a R$ 10 milhões, devem submeter propostas através do Finep Inovacred”, ressalta Maurício Syrio, superintendente de Inovação da Finep-MCTIC.

Quando a empresa for controlada por outra ou pertencer a um grupo econômico, a classificação de porte considerará a receita consolidada do grupo.

Operação do Plano Estratégico de Inovação – PEI

Na operação direta do financiamento reembolsável, durante a execução do PEI, a empresa apoiada deverá encaminhar à Finep-MCTIC, o Relatório Técnico e Financeiro de Acompanhamento.

“Temos muita expectativa com a execução deste acordo, pois acreditamos que será uma grande ferramenta de apoio para a sustentabilidade das indústrias cerâmicas”, finaliza Anderson.

Para conhecer todas as linhas e saber como a sua empresa pode se beneficiar desta parceria, basta entrar em contato com a Anfacer, pelo e-mail [email protected]

 

Fonte: http://www.finep.gov.br/noticias/todas-noticias/6142-finep-mctic-e-anfacer-firmam-parceria-para-financiamento-ao-setor-ceramico-pos-covid-19