Revestimentos de paredes externas e fachadas com placas cerâmicas serão temas de palestra do CCB no 16º Congresso do Sinduscon-MG

Nos dias 17 e 18 de outubro acontecerá o 16º Congresso do Sinduscon (Minas Gerais) de Materiais, Tecnologia e Sustentabilidade na Construção.

O Congresso é um evento tradicional no setor da construção mineira e objetiva reciclar os profissionais da cadeia produtiva da construção através de apresentações e debates, com foco em inovações tecnológicas, SiAC-PBQP-H, norma de desempenho, construção industrializada, placa cerâmica, meio ambiente, sustentabilidade e produtividade no setor.

No segundo dia, nesta quarta-feira, o engenheiro do CCB Mauricio Resende ministrará a palestra “Revestimentos de paredes externas e fachadas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante, segundo a NBR 13755”, às 15h50.

O evento acontecerá na sede da Federação das Indústrias de Minas Gerais – FIEMG (Av. do Contorno, 4456 – 4º Andar).

Mais informações sobre o Congresso, bem como as inscrições podem ser vistas NESTE LINK.

CCB é cadastrado como Instituição Técnica de Avaliação pelo Ministério das Cidades

 

O Centro Cerâmico do Brasil (CCB) garantiu mais uma conquista direcionada ao setor cerâmico e foi cadastrado como Instituição Técnica de Avaliação (ITA) junto ao Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H), do Ministério das Cidades.

Hoje no país existem somente 10 ITA’s atuantes. São eles a Egis Engenharia e Consultoria (São Paulo), Concremat (São Paulo); Falcão Bauer (São Paulo); IPT (São Paulo); ITEP (Pernambuco); LACTEC (Paraná); Senai Criciúma; Tecomat (Recife); Tesis (São Paulo) e Unisinos (São Leopoldo/RS). E, agora, o CCB.

A conquista se sucedeu após realização da 28a Reunião Ordinária da Comissão Nacional do Sistema Nacional de Avaliação Técnica de Produtos Inovadores e Sistemas Convencionais (CN-SiNAT), no último dia 14 de setembro, cujo formulário de cadastramento foi apreciado com base em critérios de capacitação técnica, infraestrutura laboratorial, complementada pela visita técnica ao CCB no dia 24 de novembro de 2016.

A superintendente do CCB, Ana Paula Menegazzo, comemorou a conquista afirmando que o cadastro agora permitirá que o CCB avalie o desempenho de sistemas construtivos e produtos, fundamentados nas metodologias, requisitos e critérios da NBR 15575 e das diretrizes do SINAT, elaborando o Relatório de Avaliação Técnica e o Documento de Avaliácão Técnica (Datec). “Isso será muito importante para o setor, caso haja a decisão de estudarmos novos sistemas de assentamento, fachada ventilada, etc ”, ressaltou.

Sobre o Sinat

O Sistema Nacional de Aprovações Técnicas foi concebido dentro do PBQP-H para fim de mobilizar a comunidade técnica nacional para dar suporte à operacionalização de um conjunto de procedimentos reconhecido por toda a cadeia produtiva da construção civil, com o objetivo de avaliar novos produtos utilizados nos processos de construção.

A meta que mobiliza a comunidade técnica é o estímulo à inovação tecnológica, aumentando o leque de alternativas tecnológicas disponíveis para a produção habitacional, sem aumentar, todavia, o risco de insucesso no processo de inovação. Em resumo, busca-se aumentar a competitividade do setor produtivo. (Fonte:Ministério das Cidades)

CCB realiza auditoria de blocos cerâmicos em empresa no Rio do Sul

Na última segunda-feira (25/09), o CCB esteve na Cerâmica Princesa, na cidade Rio do Sul, em Santa Catarina, para acompanhar a amostragem realizada pelo laboratório SENAI Rio do Sul, cujo objetivo é validar os critérios de representatividade das amostras.

Nos dias seguintes, também foram realizadas as auditorias de manutenção na certificação de produtos/ blocos cerâmicos na mesma indústria avaliando a rastreabilidade dos controles do sistema de gestão da qualidade.

“Essas ações reforçam a credibilidade e a transparência do processo de certificação do CCB/INMETRO”, disse o consultor responsável pela auditoria, Anderson Vieira.

 

Terceira Reunião da Comissão de Estudo de Telhas Cerâmicas será no CCB

Participantes de diversas regiões do país e representantes de laboratórios, empresários, entidade de classe e consultores da área cerâmica participaram, no dia 19 de setembro, na Federação das Indústrias do Estado do Piauí (Fiepi), da segunda Reunião da ABNT/CE-179:000.002, que fez parte do 46º Encontro Nacional da Indústria de Cerâmica Vermelha, um evento tradicional da Anicer.

A ABNT, como único Foro Nacional de Normalização, mediante a demanda de normalização no campo de cerâmica vermelha, criou essa Comissão de Estudo Telhas Cerâmicas para discutir e estabelecer, por consenso, regras, diretrizes ou características para o referido assunto.

Segundo o gerente de Certificação do CCB, Marcelo Dias Caridade, que também é coordenador da Comissão, o processo de revisão da norma 15.310 entrará na etapa de reavaliação das especificações técnicas e procedimentos de ensaios. “Até o momento, a discussão foi centrada na terminologia e requisitos”, afirmou.

A próxima reunião será realizada no dia 24 de outubro e, desta vez, no CCB. Na ocasião entrará em pauta a análise dos votos da Consulta Nacional do projeto NBR 15.270 – Componentes cerâmicos ─ Blocos e tijolos para alvenaria estrutural e de vedação e para alvenaria racionalizada, partes 1 e 2.

O gerente de Certificação do CCB e coordenador da Comissão, Marcelo Dias Caridade.

 

Comissão de Estudos da ABNT estuda revisão das normas de assentamento de placas cerâmicas

Dando continuidade às reuniões da Comissão de Estudo de Projeto e Execução de Revestimentos em Placas Cerâmicas (CE-002:109.010), criada pela ABNT, como único Foro Nacional de Normalização, mediante a demanda de normalização no campo de Procedimento e Execução de Placas cerâmicas, aconteceu ontem, em São Paulo, no Sindicato das Construtoras de São Paulo (Sinduscon/SP), mais uma reunião.

O objetivo dessa Comissão, em que o Centro Cerâmico do Brasil (CCB) também está participando, é discutir e estabelecer, por consenso, regras, diretrizes ou características para o referido assunto.

Nesta, estavam em pauta as normas: Revestimento de piso interno ou externo com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante – Procedimento (ABNT NBR 13753); Revestimento de paredes internas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante – Procedimento (ABNT NBR 13754); Execução de piso com revestimento cerâmico – Procedimento, e ABNT NBR 8214  Assentamento de azulejos – Procedimento (ABNT NBR 9817).

De acordo com o engenheiro do CCB, Mauricio Resende, a revisão da norma dessa Comissão visa estabelecer as condições exigíveis para projeto, execução, fiscalização e recebimento de revestimentos de paredes internas com placas cerâmicas ou pastilhas assentadas com argamassa colante ou adesivo especial. “Além disso, a intenção é que o texto tenha um caráter orientativo, semelhante a um guia, para que o leitor possa encontrar informações e conhecimento para sanar suas dúvidas e tomar decisões frente à enorme variabilidade dos revestimentos”, disse Resende.

A normativa de projeto e instalação atualmente está em vigor desde 1996 e, segundo o secretário da Comissão e gerente da Portobello, Luiz Manetti, a desatualização é tão vasta que naquela época não existiam porcelanatos e placas de grandes formatos. “ Hoje o cenário é totalmente diferente, com novos tipos de estruturas, argamassas colantes e ferramentas de forma que as exceções viraram regra por uma ação natural do mercado consumidor. Por esse motivo, cada vez mais presenciamos a discrepância entre o que é prescrito e a realidade da instalação praticada nas obras, muitas vezes causando patologias significativas”, reforçou Manetti.

Além de receber uma atualização técnica, a norma está sendo escrita sob a coordenação do engenheiro civil, Fábio Villas Boas, com a participação de representantes do Sinduscon-SP, da Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres (Anfacer), da Associação Paulista das Cerâmicas de Revestimento (Aspacer), do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento (Sinaprocim), construtoras, empresas fabricantes de placas cerâmicas, empresas fabricantes de argamassas, entidades neutras e representantes dos consumidores, o que irá conferir uma maior aderência com a realidade de obra e, por conseqüência, uma maior facilidade de a mão- de- obra para conseguir se adequar a essa nova realidade. “Por fim, devemos ressaltar o ponto que marca uma nova fase muito positiva na parceria entre a Anfacer e o Sinduscon com o mesmo objetivo de melhorar a qualidade final das obras e, conseqüentemente, a satisfação de nosso cliente em comum: o morador”, salientou Manetti.

Para Villas Boas, as normas resultam de estudos consensuais e consolidados, baseados em ciência, tecnologia e experiência acumulada, e devem traduzir o estado da arte de um determinado tema, segundo a visão de todas as partes envolvidas em sua elaboração, representadas por consumidores, produtores e neutros, esta última, categoria formada por Universidades, Governo, laboratório, entre outras. “Para tanto, a revisão delas  é fundamental para a atualização tecnológica, segurança nas relações de consumo e otimização dos resultados de todo o setor. Além disso, o uso de revestimento cerâmico é amplamente disseminado no Brasil, para as mais diversas aplicações, entre elas, pisos, paredes, fachadas, piscinas, em toda a sorte de edificações, como: residências, comércio, indústria, hospitais, clubes, entre outras, o que confere enorme importância e responsabilidade, para que este trabalho seja levado expeditamente a bom termo, proporcionando aos consumidores, produtores de insumos, serviços e equipamentos, e ao mercado de construção em geral, o ambiente ideal para utilização deste nobre revestimento”, explicou.

Também participante das reuniões da Comissão, o engenheiro da Gail Service, Roberto Gonçalves Dias, salientou que como houve várias alterações no sistema construtivo, são necessárias atualizações, ajustes de alguns parâmetros técnicos e adaptações para atender a norma NBR 15.575. “ Já passou do tempo dela ser revista, pois foi editada há 20 anos, porém, temos que ter um cuidado e não diminuir o nível das exigências, nivelando os parâmetros para baixo, bem como não torná-la inexeqüível”, falou o profissional ressaltando que as atuais 13754 e 13753, são o foco desta revisão.

Somado a isso, o coordenador da Garantia da Qualidade, da Eliane Revestimentos, Anderson Patricio Ezequiel, esclareceu que “as placas cresceram de tamanho e exigem cuidados e insumos diferentes dos que aplicávamos no passado.”

A participação dos fabricantes de placas cerâmicas nesta Comissão é de extrema importância para a colaboração das discussões técnicas e reforça que a cadeia construtiva e a indústria cerâmica estão comprometidas com a qualidade do produto brasileiro e da construção civil.

 

 

 

ABNT realiza consulta pública de norma de revestimentos cerâmicos para paredes externas

Matéria publicada pela Revista Pini

Revisão da NBR 13755 torna obrigatória a criação de projetos específicos para fachadas

Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb

16/Agosto/2017

Está em consulta pública até o dia 10 de setembro a revisão da NBR 13755 – Projeto e Execução de Revestimentos Cerâmicos de Fachadas e Paredes Externas com a Utilização de Argamassa Colante, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O texto, que passa a ter 63 páginas, altera itens como o índice de argamassa colante, emboço, fachadas e cerâmica.

Foto Revista Pini

Uma das principais mudanças foi a inclusão de uma subfaixa para o índice de argamassa colante para revestimentos cerâmicos entre 0,3 Mpa e 0,5 Mpa. “Essa faixa foi criada e ampliada para garantir maior durabilidade do revestimento. Foi criado esse novo ensaio para a resistência superficial do emboço, que deu uma margem maior de escolha ao projetista”, comentou, em entrevista para a Construção Mercado 190 (maio de 2017), Maurício Resende, secretário da comissão 189000-003 da ABNT e consultor técnico do Centro Cerâmico do Brasil.

A NBR 13755 também inclui recomendações para a criação de projetos de fachadas. “Detectamos que as fachadas devem ter projeto. Não precisa ser feito necessariamente por terceiros, mas por alguém internamente, na empresa, e que considere as melhores especificações de materiais e de procedimentos de execução e controle do revestimento”, diz Resende.

Houve mudança na limitação do tamanho da cerâmica, que era estabelecida em 440 cm². “Decidiu-se que o tamanho da cerâmica a ser usada na fachada ficará a critério dos projetistas, assim como o método construtivo de aplicação das peças. Imaginamos que, como vai ter um projetista pensando especialmente na fachada, não será preciso ter definições prévias dos tamanhos de cerâmica”, ressalta o consultor.

“Considero que a evolução da norma é significativa e trará excelentes resultados na prática. A mudança conceitual de uma norma restritiva e inflexível para um guia com considerações desde o projeto até o controle de execução, devem fazer da norma um documento técnico de grande utilidade no dia a dia”, afirma a gerente da Gail Cerâmica, Amanda de Andrade Neme.

Para participar da consulta pública, clique aqui e acesse o site da ABNT.

Leia mais:
Revisão da NBR 13755 produz manual para a concepção de revestimentos cerâmicos de fachadas

Segunda reunião da Comissão de Estudos de Telhas Cerâmicas acontecerá durante evento da Anicer no Piauí

Gerente de Certificação do CCB é coordenador da Comissão

Durante o 46º Encontro Nacional da Indústria de Cerâmica Vermelha, um evento tradicional da Anicer para todas as regiões do país e direcionado exclusivamente à cerâmica estrutural, que acontecerá de 20 a 22 de setembro na sede da Federação das Indústrias do Estado do Piauí, ocorrerá também a segunda Reunião da Comissão de Estudos de Telhas Cerâmicas ABNT/CE-179:000.002, cujo coordenador é o gerente de Certificação do CCB, Marcelo Dias Caridade.

A reunião tem como objetivo dar continuidade às discussões da Comissão de Estudo de Telhas Cerâmicas (ABNT/CE-179:000.002), criada pela ABNT, como único Foro Nacional de Normalização, mediante a demanda de normalização no campo de cerâmica vermelha para discutir e estabelecer, por consenso, regras, diretrizes ou características para o referido assunto.

Dentre os assuntos discutidos está a Revisão da NBR 15.310 – Componentes cerâmicos – Telhas – Terminologia, requisitos e métodos de ensaio.

Toda a programação do evento pode ser vista no link: http://anicer.com.br/encontro46/programacao/

O gerente de Qualidade do CCB, Marcelo Caridade.
Foto: Ass. Imp. Fecomercio RN

Certificação CCB recebe elogios da Cgcre / Inmetro em auditoria

Entre os dias 23 e 25 de agosto, a equipe da Cgcre / Inmetro, composta pelos auditores Miguel Rocha e Sergio Maia acompanharam os avaliadores do CCB, Roberto Xavier e Paulo Garcia em auditoria realizada na empresa Gressit Revestimentos Indústria e Comércio Ltda,  a Gail, localizada em Guarulhos-SP.

No final da atividade, a equipe avaliadora da Cgcre / Inmetro elogiou a condução da auditoria realizada pelos auditores CCB destacando o conhecimento técnico e postura da equipe.

Sobre

A Certificação do CCB é auditada anualmente pela Cgcre / Inmetro e existem dois tipos de auditoria: escritório e testemunha. A auditoria escritório é feita nas instalações do próprio CCB. Já a auditoria testemunha, é realizada em uma empresa. Nesta , tratou-se de um avaliação da prática da auditoria aplicada pelo CCB.

Na foto: Roberto, Sergio, Miguel e Paulo (esquerda para direita).

Designer do CCB será palestrante no Encontro Nacional da Indústria de Cerâmica Vermelha

 

De 20 a 22 de setembro acontecerá, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Piauí, o 46º Encontro Nacional da Indústria de Cerâmica Vermelha, um evento tradicional para todas as regiões do país e direcionado exclusivamente à cerâmica estrutural, que atua como setor gerador de mão-de-obra intensiva e indispensável na construção civil.

O evento, organizado pela Associação Nacional da Indústria Cerâmica, a Anicer, terá como palestrante, no dia 21 (quinta-feira), das 14 horas às 15h10, o designer do Centro Cerâmico do Brasil, o CCB, Marcos Serafim, apresentando o tema “Desenvolvimento de novos produtos frente às necessidades do mercado”.

Serafim tem grande reconhecimento e renome na área de design cerâmico e foi o responsável pelo desenvolvimento do projeto de pisos cerâmicos intertravados chamados de ‘Adoquins’, que teve concessão de registro na Revista da Propriedade Industrial – RPI, nº 2369, em 2017. O projeto também será apresentado em sua palestra.

Toda a programação do evento pode ser vista no link: http://anicer.com.br/encontro46/programacao/

Marcos Serafim, designer do CCB

Normalização das placas cerâmicas entra em Consulta Nacional pela ABNT

 

Está entrando em votação para Consulta Nacional o texto de revisão das normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) de Placas Cerâmicas para Revestimento. O setor adotará na íntegra as normas de métodos de ensaios internacionais, as quais passarão a ser identificadas como ABNT NBR ISO 10545 (Partes 1 a 16). Estas normas foram revisadas pela Comissão de Estudos de Placas Cerâmicas para Revestimento (CE-189:000.001), coordenadas pela superintendente do CCB, Ana Paula Menegazzo.

De acordo com ela, todos os laboratórios e empresas deverão se adequar. “Como relação às normas de métodos de ensaios, são poucas mudanças relacionadas às normas já existentes, mas elas existem e serão essenciais, falou”. Também será revisada a norma de especificação de produtos, a qual será baseada na versão 2012 da ISO 13006.”

 Como funciona a normalização da ABNT

Quando surge a necessidade da normalização de determinado tema, a ABNT encaminha o assunto ao Comitê Técnico responsável, onde será exposto aos diversos setores envolvidos. Uma vez elaborado o Projeto de Norma com o assunto solicitado, ele é então submetido à Consulta Nacional. Neste processo, o Projeto de Norma, elaborado por uma Comissão de Estudo representativa das partes interessadas e setores envolvidos com o tema, é submetido à apreciação da sociedade. Durante este período, qualquer interessado pode se manifestar, sem qualquer ônus, a fim de recomendar à Comissão de Estudo autora a aprovação do texto como apresentado; a aprovação do texto com sugestões; ou sua não aprovação, devendo, para tal, apresentar as objeções técnicas que justifiquem sua manifestação.

O objetivo da normalização é o estabelecimento de soluções, por consenso das partes interessadas, para assuntos que têm caráter repetitivo, tornando-se uma ferramenta poderosa na autodisciplina dos agentes ativos dos mercados, ao simplificar os assuntos, e evidenciando ao legislador se é necessária regulamentação específica em matérias não cobertas por normas. (Fonte:site ABNT)